segunda-feira, 18 de julho de 2011

A púrpura dos dias

falar-te-ei de como se erguem
em flor as sementes,
de como o luar pode desfazer
a solidão de um nome
e atirar-nos para o lugar das mãos.

ao longe, a púrpura dos dias,
do ar respirado, da vida
que não pára de bater
em cada grão de terra

- nas tuas mãos, o meu
coração de lã e o frio
que não mais te tocará
por ser possível ser-se feliz.


Vasco Gato, in Mover de Mão

1 comentário:

  1. Para quem vive a terra em plenitude, muito lindo. Um abraço, Yayá.

    ResponderEliminar