quarta-feira, 27 de março de 2013

NAVEGANDO NA TUA MEMÓRIA

Deixei as certezas na praia
Quando a última onda te levou

E as gaivotas choraram a perda.

Em cada grão de areia
Uma estrela te acolheu
No sal que deixaste preso a mim.

Foste a maré que me trouxe aqui

A saudade de quem parte para a tempestade.

Foste a minha plenitude, a minha verdade.

As marés não pararam o seu balanço.

As gaivotas continuam à tua procura

Na espuma de cada onda que beija a costa.

E eu fico sentado, ali, chorando cada lágrima

Como se mais uma memória tua me sorrisse

E me banhasse na nossa história.

Por fim viajo em mais uma fase da Lua

Regressando sempre ao mesmo lugar

Esta saudade minha e tua será sempre nossa

Seremos sempre nós a navegar.

Ricardo Vercesi

quinta-feira, 21 de março de 2013

A Flor que és...

A flor que és,
não a que possa comprar,
te venho oferecer.
Porque não tem preço
o que te ofereço.
E se me debruço a colher a pétala,
a terra inteira em teus dedos se desfolha.
E se a mais pura flor para ti desenho
a inteira pétala no nada se despenha.
Porque és a sombra do sonho em que anoiteço.
Morrer é ter terra finita.
E eu tenho a febre da inatingível margem.
Por isso encho de mar o teu olhar.

Mia Couto

terça-feira, 19 de março de 2013

VIAGEM NO VENTO

O vento sopra forte no meu rosto
Que sensação fantástica que tenho!
Sinto-me livre como o sol já posto,
dona de toda a arte e todo o engenho!

Parto com o vento pelo sonho fora,
conquisto terra, ganho mar e céu...
Liberto-me do aqui e do agora...
Fujo de mim para poder ser eu!

E o vento, que me beija e me possui
mostra-me o paraíso que lhe peço,
para que eu nunca esqueça que já fui
aquilo que não quero nem mereço...

Vento morno e veloz, que me conduz
onde mora a essência do que sou,
deixa-me acreditar que ainda há luz
nas trevas a que Deus me condenou.

Helena Rocha, in Beijos e Sorrisos

quarta-feira, 13 de março de 2013

ABRAÇO O TEU SILENCIO

Oiço um novo ritmo
no meu coração
...quebro a promessa.

Sinto o sangue quente
a ultrapassar qualquer limite.

Encontro-me infinitamente
a olhar o azul do céu,
a cheirar um rosa vermelha
e a sorrir.

Sinto-me a planar
no significado
das tuas palavras
...uma a uma...
declamadas num livro teu.

Sinto a intensidade
do teu beijo
...letra a letra.

Abraço o teu silêncio
e sonho
um dia encontrar o teu olhar.

Vanda Paz, in Brisas do Mar