domingo, 6 de setembro de 2020

Leio-te

Leio-te 
como teus olhos
fossem um poema
mais belo de
sempre...
Leio-te, 
nas tuas mãos
alimentando os meus sonhos,
nos teus gestos
afagando minh'alma,
nas tuas carícias
que me desvelam
e me torturam.
Leio-te
nas tardes de Outono,
quando a noite se atrasa
repousando na sacada
perdido num pôr-do-sol.
Leio-te
em cada palavra 
discorrida
em cada livro,
imaginando-te...
leio-te
sem te aprender...

(Jorge Bicho, in "por dentro das palavras")

Sem comentários:

Publicar um comentário